Autorretrato refletido em uma Esfera

Maurits Cornelis Escher foi um artista gráfico holandês conhecido pelas suas xilogravuras, litografias e meios-tons, que tendem a representar construções impossíveis, preenchimento regular do plano, explorações do infinito e as metamorfoses – padrões geométricos entrecruzados que se transformam gradualmente para formas completamente diferentes. Ele também era conhecido pela execução de transformações geométricas nas suas obras.

Em Autorretrato refletido em uma esfera de 1935, Escher ilustra uma mão segurando uma esfera, na qual se encontra uma imagem refletida. A imagem é de um típico escritório onde se encontra um homem sentado, o qual vislumbra sua própria imagem refletida na esfera. A mão real toca na mão refletida. A litografia elucida o encontro do investigador com o seu próprio objeto de investigação, isto é, consigo mesmo.